Por Camilo Vannuchi

O Golpe de 1964 salvou o país. É esta a mensagem que o Governo Federal busca transmitir em vídeo divulgado neste domingo, 31 de março, em seu canal oficial no WhatsApp. Com 1 minuto e 55 segundos de duração, o vídeo retoma a narrativa, já tantas vezes rejeitada em livros de história, de que havia uma revolução comunista prestes a ser deflagrada no país, e que foi contida graças à bravura do Exército brasileiro, sempre pronto para defender a pátria com soberania e abnegação.

Mensagem foi enviada na manhã de domingo pelo WhatsApp do Governo

“Se você tem a mesma idade que eu, um pouco mais, um pouco menos, sabe que houve um tempo em que nosso céu de repente não tinha mais estrelas que outros”, diz um narrador septuagenário. “Era assim, um tempo de medo e ameaças. Ameaças daquilo que os comunistas faziam onde era imposto, sem exceção. Prendiam e matavam seus compatriotas.”

Confira o vídeo:

A peça busca criminalizar também a atuação sindical e a liberdade de manifestação no país. “Havia, sim, muito medo no ar. Greve nas fábricas, insegurança em todos os lugares”, diz o texto.

De acordo com o roteiro, este cenário justificaria a intervenção militar de 31 de março: um golpe que durou 21 anos e causou a morte de mais de 430 opositores da ditadura listados pela Comissão Nacional da Verdade, o genocídio de 8 mil indígenas e a prisão e tortura de pelo menos 50 mil pessoas segundo estimativa do Ministério Público Federal. “Foi aí que, conclamado por jornais, rádios, TVs, e principalmente pelo povo na rua — povo de verdade, pais, mães, Igreja —, que o Brasil lembrou que possuía um Exército nacional e apelou a ele. Foi só aí que a escuridão, graças a Deus, foi passando, passando, e fez-se a luz”.

“O Exército nos salvou, não há como negar”, afirma o narrador. Em seguida, uma voz em off, masculina e grave, ecoa sobre a imagem da bandeira nacional: “O Exército não quer palmas nem homenagens. O Exército apenas cumpriu o seu papel.”

A divulgação ocorre seis dias após o presidente Jair Bolsonaro conclamar o Ministério da Defesa a comemorar os 55 anos do golpe, chamado por ele de “revolução”. A declaração despertou reações imediatas de juristas, historiadores e entidades de defesa dos Direitos Humanos, inclusive no exterior.

“À luz de tudo que hoje se sabe sobre o regime militar, é profundamente problemático que o presidente da República oriente a comemoração de um regime autoritário que durou 21 anos”, afirmou à Casa da Democracia o relator da ONU Paulo Sérgio Pinheiro, que foi ministro dos Direitos Humanos no governo Fernando Henrique Cardoso e membro da Comissão Nacional da Verdade, instalada no governo Dilma Rousseff. Em artigo publicado neste sábado no Washington Post, o escritor Paulo Coelho relata as torturas que sofreu em 1974 no Dops do Rio de Janeiro.

“São essas décadas de chumbo que o Presidente Jair Bolsonaro, depois de mencionar no Congresso um dos piores torturadores como seu ídolo, quer festejar nesse dia 31 de março”, escreveu Paulo Coelho.

Em repúdio ao golpe e à declaração de Bolsonaro, foram organizadas manifestações em todo o país.

Compartilhar:
Tags: , , , , , ,
Camilo Vannuchi é jornalista e escritor. Coordenador do Instituto Casa da Democracia, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela USP. Foi membro da Comissão da Memória e Verdade da Prefeitura de São Paulo (2016). Escreve normalmente sobre política, direitos humanos e direito à comunicação.